Fevereiro

 


Pois é, Fevereiro, meu bem. Esse mês bonito que, só de falar, já me deixa com água na boca. O mês que arrasta multidões de um lado pro outro, pra cima pra baixo e... Aqui estamos nós: trancafiados. Se-pa-ra-dos. Quem diria, ein? É, baby, esse ano não tem chuva, suor e cerveja.  E você não vai correr o delicioso risco de tropeçar num grande amor em alguma esquina da cidade. Agora, todo passo precisa ser milimetricamente calculado e cheio de protocolos. Não se pode andar por aí, sem rumo, fantasiado de todas as cores, enchendo de alegria a praça e o poeta, como manda a canção.

Sei que não temos lá muitos motivos pra comemorar esse ano. Eu também acompanho o noticiário, ainda que me dê vontade de gritar.

Mas, cara, não seria bom poder jogar confete e serpentina em tudo o que é escuro e feio e enfeitar a vida até que fosse verdade? Pra mim, é impossível não ficar triste sem carnaval.  Simples e irremediavelmente triste.  Sentindo saudade de todos os amores que estou sendo impedida de viver e sentir. E chorando por todo o carnaval de sensações que me foi arrancado sem aviso prévio. Morrendo de vontade: das luzes, dos gostos, das andanças, dos sons... E esperando que o próximo verão chegue trazendo um bocadinho dos sorrisos que não foram exibidos pelas ruas da cidade esse ano. Mas, apesar de triste, eu te prometo, baby: que “haverão outros verões”, carnavais e tudo mais. 

Quando esses dias chegarem, pode deixar que eu vou mimar você. Nas quatro estações. Como diz a música.  E meu coração vai estar bem aqui, em festa, batucando em ritmo acelerado o quanto eu te quero bem. A minha fantasia, esse ano, é um dia poder te encontrar!

🔻

🔻

🔻

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia - FUNCEB (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

0 Comentários

Remetente