Olá!



Outubro de 2020,

Olá,

O cansaço me corrói já há bastante tempo, são dias difíceis esses de tentar manter a sanidade e seguir com a vida mesmo com o mundo todo se despedaçando lá fora. A cada dia, me sinto empilhando sentimentos como quem faz uma torre de legos quando não se tem todas as peças. Formam-se encaixes frágeis, sinuosos e basta um leve vento entrar pela janela que tudo começa a querer desmoronar.

Não sei até quando as estruturas permanecerão fortes o suficiente para aguentar a pressão do que foi construído em base fraca, mas sigo, vivendo, erguendo mais andares, cultivando paciência e um pretenso otimismo de quando a realidade é dura por demais.

Sei que não só aqui pairam incertezas. Em todo canto tem mais um perdido nessa quarentena que nem mais é pra todo mundo uma prisão. De qualquer forma, me revirei do avesso pra me achar dentro de mim, exausta como nunca em mais um dia que quis largar tudo nessa tarde quente, abafada e pura lentidão, pra fazer diferente do desejado e escrever essa carta só pra te dizer: aguenta daí, que eu aguento de cá.

Me despeço pra ir tomar um banho gelado e uma xícara de café bem quente, esperando que por aqui tudo se amenize e amorne, pelo menos até então.

Sobrevivendo por mais um dia, 
Jéssica.



 

0 Comentários

Remetente